"I watch the time pass slowly. It comes and goes like the waves. The sea can touch the sky at night. It's got the freedom I crave."

Poema de Ano Novo

In Memoriam A.H.H. – Ring out, wild bells (1850)
de Lord Alfred Tennyson (1809-1892)

Ressoem, sinos selvagens, para o céu ermo,
A nuvem flutuante, a luz gélida:
O ano está se acabando noite adentro;
Ressoem, sinos selvagens, e deixe-o morrer.

Ressoem o velho, celebrem o novo,
Toquem, sinos felizes, além da neve:
O ano está indo, deixo-o ir;
Ressoem o falso, celebrem a verdade.

Ressoem a tristeza que deteriora a mente,
Por aqueles que aqui não vemos mais;
Ressoem a contenda dos ricos e pobres,
Celebrem a reparação de toda a humanidade.

Ressoem por uma causa de morte lenta,
E as antigas formas de luta partidária;
Celebrem métodos de uma vida mais nobre,
Com doces costumes, leis puras.

Ressoem o desejo, o cuidado, o pecado,
A frieza sem fé dos tempos;
Ressoem, toquem alto minhas lúgubres rimas,
Mas celebrem o poeta incondicional.

Ressoem o orgulho falso na razão e no sangue,
A difamação civil e o despeito;
Celebrem o amor da verdade e do direito,
Celebrem o amor comum do bem.

Ressoem velhas formas da doença da corrupção;
Ressoem a cobiça do ouro;
Ressoam os mil anos de guerras,
Celebrem os mil anos de paz.

Celebrem o homem valente e livre,
O coração grande, a mão bondosa;
Ressoem a escuridão da terra,
Celebrem o Cristo como deve ser.

Tradução: Eliana Lara Delfino
Fonte: http://home.att.net/~tennysonpoetry/IMAHH.htm

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s