"I watch the time pass slowly. It comes and goes like the waves. The sea can touch the sky at night. It's got the freedom I crave."

Celebração

Santos Inocentes

Estou repostando esse artigo porque vale também pelas criancinhas que são assassinadas dentro do ventre de suas mães e as são jogadas fora assim q nascem…

santosinocentes

https://elianalara.wordpress.com/2010/12/29/santos-inocentes/


O Monumento do Leão

lu-Man Made_statue Luzernlion_largeluzern-lion

* Monumento do Leão, Lucena (Suíça)

O Monumento do Leão em Lucena é um leão enorme deitado esculpido numa parede de rocha em um lago na extremidade leste da cidade medieval. Foi construído como um memorial pelos soldados mercenários da Suíça central que perderam suas vidas enquanto serviam o rei Luis XVI da França durante a Revolução Francesa. Quando as massas revolucionárias atacaram o castelo real Tulherias em Paris em 10 de agosto de 1792 as tropas mercenárias suíças tentaram defender a família real cuidando para que eles pudessem escapar.

* Tradução da Gravura do Monumento do Leão

A gravura em latim HELVETIORUM FIDEI AC VIRTUTI significa “À lealdade e bravura dos suíços.” (Para entender HELVETIORUM [=dos suíços] seja: Confoederatio Helvetica vs. Suíça). Mais adiante você encontra os nomes dos oficiais mortos e salvos da guarda suíça bem como o número de mortos entre os soldados suíços (DCCLX=760) e o número dos soldados sobreviventes (CCCL=350).

* O que significa o Monumento do Leão?

Um oficial da guarda suíça, segundo tenente Carl Pfyffer von Altishofen, um descendente de uma influente família nobre, estava de licença em casa em Lucerna quando seus soldados companheiros foram mortos em Paris. Depois de tempos de revolução em 1815 e França bem como Suíça tinham voltado ao regime conservador, Pfyffer sentiu-se obrigado a erguer um monumento em honra dos soldados mercenários.

Políticos liberais de toda Suíça desaprovaram o memorial, mas eles eram em minoria durante os anos de 1820 e Pfyffer foi apoiado pela maioria em Lucerna.

O Monumento do Leão foi inaugurado em 10 de agosto de 1821. Originalmente o lugar era propriedade privada. Em 1882 a cidade de Lucerna o comprou. O lugar é acessível com entrada franca. Logo depois o monumento se tornou uma das maiores atrações turísticas de Lucerna.

* Os artistas que criaram o Monumento do Leão

O Monumento do Leão foi desenhado por Bertel Thorvaldsen (1770-1884), um escultor dinamarquês classicista em 1819 quando vivia em Roma na Itália.

Lucas Ahorn (1789-1856-), um pedreiro de Constance (sul da Alemanha) foi na verdade quem gravou a obra na rocha de arenito em 1820/1821.

A grande escultura tem 6 metros de altura e 10 metros de comprimento. A elevada parede da rocha é parte de uma pedreira explorada através de séculos para construir a cidade.

* Antecedentes Históricos

Os soldados mercenários suíços tinham uma grande tradição desde o sucesso militar das tropas suíças contra as acusações de Habsburg e Charles Duke, o Temerário da Borgonha, no século 15. Recrutando, equipando e instruindo soldados mercenários e vendendo-os ao serviço dos reis franceses e duques italianos era um grande negócio para as famílias nobres na Suíça central.

Mas já na era da reforma da igreja suíça do reformador Huldrych Zwingli, que fez campanha no norte da Itália como capelão militar, mais cedo desafiava a instituição. Assim significava minar uma fonte maior de renda de famílias influentes bem como renunciando em campo maior de ocupação por jovens em uma região periférica sempre lutando com problemas econômicos, as iniciativas do homem de disputada igreja enfrentando impetuosa resistência. A questão mercenária já tem sido a razão social pela qual a Suíça central não se juntou a reforma da igreja e ficou com a mesma crença católica tradicional. A disputa, finalmente, levou a duas guerras civis na Suíça em 1529 e 1531. Zwingli foi assassinado durante a segunda guerra.

Com a moderna constituição liberal suíça de 1848, serviços mercenários em favor de forças estrangeiras foram declarados uma ofensa criminal – com a única exceção da guarda suíça do vaticano. Enquanto a Vaticano costumava apenas ser um dos principados italianos até o final do século 19, foi reduzido a um distrito de Roma isentos a jurisdição italiana.

Então a guarda Papal suíça pode ser reguardada como uma mistura de folclore (com suas veste coloridas) e da polícia da cidade hoje.

* Testimoniais

Mark Twain, bastante conhecido como autor americano, chamava o Monumento do Leão de “O mais triste e comovente pedaço de rocha no mundo.”

Luzern-selo

 

 

Tradução: Eliana Lara Delfino

Fonte: http://lucerne.all-about-switzerland.info/lucerne-lion-monument-pictures-history.html

tulheriasFR

Castelo Real Tulherias em Paris


DIA INTERNACIONAL DA MULHER

PARABÉNS MULHER!

A mulher da foto q escolhi para homenagear as mulheres é Stana Katic (da série de TV Castle).!

https://elianalara.wordpress.com/2010/03/07/dia-internacional-da-mulher/


SIGNIFICADO DAS VELAS DO ADVENTO

Image

Como muitas tradições de Natal na fé cristã, a coroa do Advento é de origem pagã. A Igreja cristã acende uma vela a cada domingo, durante as quatro semanas que antecedem ao Natal. Algumas famílias fazem suas próprias coroas de Advento em casa.

Origem

Não se sabe quando a primeira coroa do Advento foi criada. Rituais pagãos freqüentemente
incluía velas acesas em uma coroa de flores que significava esperança para o retorno do sol
durante o inverno. Na Idade Média, os cristãos emprestaram este antigo costume, e
incorporaram isso a celebração do Natal. As religiões Católica e Luterana foram as primeiras
a adotarem formalmente a coroa do Advento.

Coroa

A coroa do Advento é feita de galhos verdes vivos, simbolizando a vida eterna. O círculo
representa o amor eterno de Deus, sem começo e sem fim, bem como a imortalidade da alma.

Cores da Vela

A cada uma das quatro velas coloridas na coroa do Advento representa uma semana que antecede
o Natal. Tradicionalmente, três das velas são roxas, e uma é rosa. A última vela é branca e fica no centro da coroa. É acesa na véspera de Natal ou dia de Natal.

Origem da Vela Rosa

Já houve uma tradição em que o papa dava a alguém uma rosa no quarto domingo da Quaresma
antes da Páscoa para “animar” o tom sombrio da temporada. Antes da comercialização em massa
do Natal, o Advento era também um momento solene e as pessoas jejuavam para se preparar para
o feriado. O costume da rosa passou a fazer parte do terceiro domingo do Advento.
Eventualmente, a terceira vela tornou-se rosa também.

Simbolismo da Vela

As velas são tradicionalmente acesas na seguinte ordem: roxa, roxa, rosa, roxa, branca. A
primeira é chamada de “Vela da Esperança”. Ela simboliza a fé em Deus mantendo suas
promessas para a humanidade. A segunda é chamada de “Vela da Preparação”, lembrando os
cristãos a “se prepararem” para receber Deus. A terceira vela é “Vela do Júbilo”. Ela lembra
os anjos cantando alegremente sobre o nascimento de Cristo. A quarta vela, “Vela do Amor”,
recorda aos cristãos que Deus os ama o suficiente para enviar o seu Filho único para a
Terra. A “Vela de Cristo”, a vela branca do centro, representa o próprio Jesus Cristo.

Rituais

Algumas religiões cristãs incentivam as famílias a acenderem uma vela na coroa todos os dias
durante o Advento, seguido de leituras bíblicas, cânticos e oração. Durante a primeira
semana, uma vela é acesa a cada dia. Durante a segunda semana, duas velas são acesas, e
assim por diante.

Variações

Há muitas interpretações das velas do Advento. Alguns acreditam que as velas representam a
Esperança, Alegria, Amor e Paz. Alguns acendem a vela rosa no último domingo antes do Natal,
em vez do terceiro. Outros usam quatro velas roxas. Em todas as tradições, o simbolismo está
mergulhada na fé cristã.

Fonte: http://www.ehow.com/about_5385336_meaning-advent-candles.html

 


I Coríntios, Cap.13

1 Ainda que eu domine línguas humanas e angélicas – se eu falar sem amor, eu não sou mais do que um estrondo de gongo ou um címbalo que tine.

2 E ainda que tenha o dom da profecia, para penetrar todos os mistérios e conhecimentos, e ainda que tenha toda a fé necessária para mover montanhas – se for sem amor, nada sou.

3 Ainda que eu deveria dar aos pobres tudo o que tenho, e até mesmo desistir do meu corpo para ser queimado – se não for por amor, de nada adiantará.

4 O amor é sempre paciente e bondoso, o amor nunca é ciumento, o amor não é orgulhoso, nem pretensioso,

5 Nunca é grosseiro e nunca interesseiro, não se ofende nem guarda reclamações.

6 O amor não se alegra com a injustiça, mas encontra sua alegria na verdade.

7 Está sempre pronto para conceder, confiar, esperar e suportar o que vier.

8 O amor nunca chega ao fim. Mas se houver profecias, serão levados embora; se em línguas, se calarão, e se em conhecimento, será eliminado.

9 Nosso conhecimento é imperfeito, e profetizamos imperfeitamente;

10 mas uma vez que a perfeição vem, todas as coisas imperfeitas serão levadas embora.

11 Quando eu era criança, falava como criança, e via as coisas como criança, e pensava como criança, mas agora que me tornei adulto, eu acabei com todas as formas infantis.

12 Agora nós vemos apenas reflexos num espelho, meros enigmas, mas então veremos face a face. Agora meu conhecimento é imperfeito, mas então deverei conhecer tanto quanto me conheço.

13 Então, estes permanecem: fé, esperança e amor, os três, mas o maior destes é o amor.

Tradução: Eliana Lara Delfino

Fonte: http://www.catholic.org/bible/book.php?id=53

 


DIA INTERNACIONAL DA MULHER

Parabéns Mulheres!

Deixo aqui uma antiga postagem minha sobre o primeiro dia internacional da mulher:

https://elianalara.wordpress.com/2010/03/07/dia-internacional-da-mulher/


Fogos de Artifícios

A História Dos Fogos de Artifícios  –  Invenções Químicas Famosas

Invenção do Fogo de Artifício

Muitas pessoas associam fogos de artifícios com o Dia da Independência, mas seu uso original veio das celebrações de Ano Novo. Você sabe como os fogos de artifícios foram inventados?As lendas dizem que um cozinheiro chinês acidentalmente jogol salitre em um fogo
de cozinha, produzindo uma chama interessante. Salitre, um ingrediente usado em pólvora, às vezes era usado como sal saboroso. Outras pólvoras, carvão vegetal e ácido sulfúrico também eram comuns em antigos fogos. Embora a mistura queimada com um pouco de chama, explodia se fosse fechado em um pedaço de bambú.
Esta prazeirosa invenção de pólvoras parece ter ocorrido a 2000 anos atrás,
com explosão de “firecrackers”(fogos pequenos com grande barulho) produzido depois durante a Canção da dinastia (960-1279) por um monge chinês nomeado Li Tian, que vivia perto da cidade Lin Yang em Hunan Province. Estes fogos eram tiros com bambú preenchidos de pólvora. Eram explodidos no começo do ano novo para espantar espíritos maus. Muitos dos fogos modernos tem luzes e cores, e também barulho forte (conhecido como ‘gung pow’ ou ‘bian pao’) eram desejáveis em eventos religiosos, desde que fossem para espantar espíritos. No século 15, os fogos foram parte tradicional de outras celebrações, tais como vitórias militares e casamentos. A estória chinesa é bem conhecida, entretanto é possível que realmente que os fogos foram inventados na Índia ou Arábia.
Dos “Firecrackers” aos Foguetes

Em soma, explodindo pólvoras por fogos, os chineses usavam combustível de pólvoras por propulsão. Foguetes de madeira feitos à mão, em formas de dragão, atiravam foguetes aos invasores de Mongol em 1279. Exploradores tiraram conhecimentos de pólvoras, fogos e foguetes del volta pra casa com eles quando retornaram.   Árabes no século 7 referiam-se aos foguetes como flechas chinesas. Marco Polo é creditado levando pólvoras à Europa no século 13. Os soldados também trouxeram a informação com eles.
Além de Pólvoras

Muitos fogos eram feitos como os de hoje, como à cem anos atrás. Entretanto algumas modificações foram feitas. Os fogos modernos incluem muitas cores que formam desenhos, como salmão, rosa, e verde-piscina, que não existiam no passado.
Em 2004, a Disneilândia, na Califórnia começaram lançamentos de fogos usando ar comprimido ao invéz de pólvoras. Marcadores eletrônicos eram usados para explodir o projétil. Esta foi a primeira vez que o sistema de lançamento foi usado comercialmente, permitindo o crescimento em tempo preciso (pois mostra que podia ser aplicado em música) e redução de fumaça em grandes exibições.

Tradução: Eliana Lara Delfino

Autora:  Anne Marie Helmenstine , Doutorado em Filosofia

Fonte: http://chemistry.about.com/od/historyofchemistry/a/fireworkhistory.htm

_________________________________________________________

FELIZ ANO NOVO À TODOS ABENÇOADO POR DEUS!